Os alunos do 1º período do curso de Ciências Biológicas da FESP receberam na última terça-feira (04) o ex-aluno Fábio Gonçalves de Lima Oliveira - graduado em 2010 pela Fundação - para uma palestra agendada pela professora Odila Rigolin de Sá, coordenadora do curso.

O Egresso concluiu recentemente seu Mestrado em  Entomologia no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), localizado em Manaus (AM), e começa em breve o Doutorado na USP de Ribeirão Preto (SP), também na área de Entomologia. Fábio foi aprovado, em ambos os processos seletivos, em primeiro lugar e que teve na FESP a base para trilhar esse caminho de desafios e sucesso. “Entrei na FESP em 2007 e estou satisfeito com a graduação que fiz. Na maioria das minhas demandas, a FESP tem dado suporte através do empenho e iniciativa do corpo docente”, defendeu.

Os calouros de Ciências Biológicas tiveram na palestra a oportunidade de saber sobre as pesquisas desenvolvidas pelo entomólogo, que trabalha com animais pouco conhecidos: os colêmbolos, invertebrados que habitam a superfície do solo. “Este foi o tema da palestra. No entanto, aproveitei a exposição para falar sobre minhas experiências na pesquisa ao longo da graduação aqui na FESP, durante o mestrado, e as expectativas para o Doutorado” contou Fábio que demonstrou satisfação em estar de volta à Fundação. “Me senti bem! Acho que é gratificante você retornar à sua instituição de formação, dividir sua vida e também dar um retorno aos docentes com quem você muito aprendeu. Espero que tenham absorvido a mensagem de uma forma positiva”.

Carreira Acadêmica

Fábio é Mestre em Entomologia (ciência que estuda os insetos) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, onde foi vinculado ao laboratório de "Biologia, Sistemática e Ecologia da Fauna do Solo". Segundo o especialista, este laboratório tem como principal objetivo conhecer a biodiversidade destes animais (colêmbolos) que vivem numa região superficial do solo, pouco acessada nas florestas. Posteriormente, o conhecimento alcançado é utilizado para conservar os demais ambientes das florestas amazônicas.

Casal de colêmbolos da ordem Symphypleona (Classe Collembola)“Trabalhei com a ecologia de uns animais minúsculos denominados colêmbolos (da classe Collembola). Trata-se de animais distribuídos por todo o mundo, mas que devido seus tamanhos e ambientes que habitam são pouco conhecidos. Como estes animais são extremamente sensíveis às mudanças no meio circundante, configuram-se como importantes ferramentas para prever e diagnosticar impactos em consequência da interferência humana. Assim, o principal objetivo alcançado foi ter localizado alguns dos fatores responsáveis por ditar a distribuição de uma comunidade de espécies de colêmbolos sobre a superfície do solo. Possivelmente, estes resultados serão aplicados em estudos de Conservação Ambiental. No Doutorado irei desenvolver um estudo que torne a identidade destas espécies conhecida. Para isso investigarei a fauna de solo de cada estado e domínio fitogeográfico do Brasil. Posteriormente irei descrever as espécies novas que eu encontrar”, explica.

A partir de suas experiências e novos conhecimentos que serão adquiridos, o quase doutorando pretende se firmar cada fez mais no cenário da pesquisa brasileira. 

“Pretendo me tornar um bom profissional atuante. Em relação à carreira acadêmcia, vejo por um ângulo positivo, acredito que estou no caminho certo. No entanto, ainda há muito chão para ser percorrido. Mas quem está reclamando? Eu gosto de desafios!”, comenta.

Fábio incentiva que os alunos da FESP busquem novos horizontes, já que a Fundação - segundo ele, especialmente a partir do corpo docente - oferece apoio para que conquistem cada vez mais espaço no universo acadêmico e mercado de trabalho. “A partir da minha ida para o INPA, considero que a melhor experiência e o que me trouxe a maior evolução humana foi ter saído da zona de conforto em que eu estava aqui em Passos. Isso é muito válido”, deixou o recado.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG