Mais um passo no processo de estadualização do ensino superior em Minas Gerais foi dado nesta segunda-feira (08), na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. O governador Antonio Anastasia assinou mensagem encaminhando à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei que prevê a absorção de seis fundações educacionais de Ensino Superior associadas à Universidade de Minas Gerais (Uemg). O objetivo da medida é difundir o conhecimento e contribuir para a produção científica em todo o Estado.

As fundações a serem absorvidas são dos municípios de Campanha, Carangola, Diamantina, Divinópolis, Ituiutaba e Passos. A incorporação, segundo o governador, é uma demanda que surgiu com a criação da Uemg, em 1989. “Desde lá até agora, decorridos quase 30 anos, tivemos muitas batalhas e dificuldades, mas nem por isso desistimos. Ao contrário, nos empenhamos, nos desdobramos, fomos ousados, corajosos e criativos para dar guarida à ansiedade maior: o ensino público de qualidade em nosso Estado”, afirmou Anastasia em seu pronunciamento para secretários de Estado, representantes das fundações de ensino superior e estudantes.

O governador disse ainda que a estadualização foi um compromisso assumido durante seu mandato e que, com o apoio dos parlamentares, até meados do próximo ano o processo deverá ser concluído.

Presidente da FESP abriu evento representando as associadas

O presidente do Conselho Curador da Fesp, professor Fábio Pimenta Esper Kallas, falou em nome das unidades a serem encampadas e começou seu pronunciamento afirmando seu orgulho e honra por ter feito parte da equipe de governo de Antônio Anastasia e ainda por ser responsável pelo projeto de estadualização das associadas. "Foi uma honra ter participado durante um ano e meio deste governo extraordinário, sério, competente e acima de tudo compromissado com a educação", declarou. 

Fabio lembrou da ADIN 2501 que retirou as associadas do Conselho Estadual de Educação e as levou ao Conselho Federal trazendo grande instabilidade e apreensão as fundações. "Desta grande dificuldade, desta falta de caminho tão grande encontramos o então vice-governador Antônio Anastasia que abriu as portas de seu gabinete e resolveu nossas dificuldades com a lei do associativismo que nos colocou com todos os direitos junto a Uemg novamente e renovou nossos sonhos de estadualização", discursou. 

O presidente do Conselho Curador declarou ainda que renasceu naquela ocasião o processo de construção da universidade pública em Minas Gerais, com a criação do Prouemg. O projeto de bolsas, segundo ele, é “invejável, justo e que ajuda o aluno realmente carente, dando a ele condições de ocupar uma vaga no ensino superior a exemplo da Fesp que hoje tem mais de 800 alunos com bolsas de até 50% do Prouemg”. 

Fábio também agradeceu aos colegas da subsecretaria e de todas as áreas do governo, especialmente a secretaria de planejamento e a advocacia do Estado pelo apoio no desenvolvimento em conjunto da estruturação do projeto.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG