Prof. Fabio, Diretores de Núcleo Acadêmico e Representantes das instituições de Saúde de Passos

Em reunião realizada no dia nove de julho de 2011, o presidente do Conselho Curador da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG), Prof. Fabio Pimenta Esper Kallas, juntamente com os Diretores de Núcleo Acadêmico e professores da FESP, apresentou aos representantes das instituições de saúde de Passos: Dr. Vivaldo Soares Neto, Dr. Pedro Messias da Silva, Dra. Maria Paula Moraes Vasconcelos, Dr. Marcos Antônio de Oliveira, Dr. Walter Alvarenga Oliveira, Dr. Cleiton Piotto Assunção, Dr. Eurípedes José da Silva (representante do CRM - Subseção de Passos), Dr. Devanir Silva Prado, Prof. Marcelo Soares de Oliveira, Vanessa Luzia Queiroz da Silva, Daniel Porto Soares, e Dr. Geraldo Brasileiro Filho (médico atuante em Belo Horizonte e professor da UFMG) a proposta de criação do curso de Medicina em Passos.

Inicialmente, Prof. Fabio discorreu sobre o trabalho que vem sendo realizado em prol da estadualização das unidades associadas à UEMG junto à Subsecretaria de Estado de Ensino Superior, da qual é o responsável, e apresentou a nova estrutura administrativa da FESP com a criação dos núcleos acadêmicos por áreas de conhecimento. Entre as ações desenvolvidas na Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SECTES Prof. Fabio destacou a responsabilidade no trabalho de construção de um novo campus da UEMG em Belo Horizonte pelo fato da universidade não ter sede própria e que vai proporcionar um projeto audacioso na criação da Cidade da Ciência e Conhecimento abrigando, além da UEMG, entidades como a FAPEMIG, EPEMIG, CETEC entre outros.

Segundo o presidente e subsecretário, o Ensino Superior está em evidência em Minas Gerais sendo que o Estado é o maior do Brasil em número de escolas federais, com doze unidades ao todo. “Minas Gerais vivencia um ambiente desenvolvimentista principalmente em termos de Ensino Superior e iremos passar por um crescimento ainda maior do que o que já estamos conseguindo”, pontuou Prof. Fabio.

Nesse contexto, Prof. Fabio também apresentou aos presentes o crescimento alcançado pela FESP com 23 cursos de graduação disponíveis atualmente e mais dois em processo de implantação como o curso de Psicologia e Engenharia de Alimentos. Os trabalhos realizados na SECTES vêm acontecendo no sentido de estudar e estruturar a estadualização das unidades associadas à UEMG, sendo que a FESP deverá ser a última a ser incorporada pelo Estado, provavelmente por volta de 2013, por ser a maior unidade, ter um orçamento próprio equilibrado e com o intuito de verificar os pontos fortes e fracos do processo com as outras unidades para que possa ser efetuado de forma já aperfeiçoada em Passos.

Dessa forma, o trabalho de articulação com a UEMG tem o objetivo de expandir uma universidade estadual do centro ao sul de Minas e que possa oferecer o maior número de cursos possível. Pensando nisso, o presidente do Conselho Curador, com o apoio da diretora de Núcleo Acadêmico de Ciências Biomédicas e da Saúde, Profª Tânia Maria Delfraro Carmo e das professoras Maria José Pessoni Goulart e Vanessa Luiza Queiroz Silva do curso de Enfermagem, começou a estudar a possibilidade de ter um curso de Medicina na FESP.

O médico Dr. Geraldo Brasileiro Filho foi convidado pela equipe da FESP, para auxiliar na proposta de criação do curso de Medicina em Passos, por estar envolvido com o ensino da Medicina da UFMG, por ser avaliador do Ministério da Educação - MEC, ex-diretor da Escola de Medicina da UFMG e passense. A reunião teve o intuito também de apresentar a proposta a pessoas que possam somar ao projeto e colaborar na implantação do curso.

Profª. Tânia Delfraro corroborou com os dizeres do Prof. Fabio Kallas enfatizando que a FESP se encontra em franco crescimento e que a área da saúde vem seguindo a mesma trajetória. Estão em processo de implantação dois cursos de pós-graduação stricto sensu (mestrado) na FESP, um na área de Saúde e outro na área Ambiental. Para o curso de Medicina um estudo intenso foi realizado em relação às diretrizes curriculares sobre os requisitos de qualidade exigidos pelo MEC. Psicologia e Direito também figuram como cursos que se exigem critérios mais rigorosos para sua abertura. A participação do Dr. Geraldo Brasileiro vem somar esforços na elaboração da proposta do curso pelo profundo nível de conhecimento em relação às Diretrizes Curriculares e pelo acompanhamento de solicitações para autorização, reconhecimento e recredenciamento de cursos de medicina em nível estadual e nacional.

“Dr. Brasileiro apresentou de forma positiva a possibilidade da implantação do curso em Passos, tendo em vista a política de abertura de novos cursos no governo atual, desde que as Instituições de Ensino Superior - IES apresentem uma proposta de qualidade atendendo a metodologia ativa em que o estudante participe como sujeito de sua aprendizagem. Este é o momento de unirmos esforços e agregarmos pessoas idealistas, comprometidas com a saúde e educação em Passos, contribuindo para elaboração de uma proposta adequada a fim de atender aos requisitos do MEC”, disse Profª. Tânia Delfraro.

Medicina no Brasil

Dr. Geraldo Brasileiro apresentou a sua colaboração ao projeto da FESP e informou que atualmente estão em processo de avaliação para abertura de 50 de cursos de Medicina no Brasil. Segundo ele, a dificuldade existe, mas assim como foi possível concretizar o sonho de criar a Faculdade de Filosofia de Passos - FAFIPA (nome inicial da FESP) na década de 60, numa época que também apresentava as suas dificuldades, o trabalho com a implantação do curso de Medicina também terá a possibilidade de se concretizar. Para Brasileiro, o desafio maior não é a criação dos cursos de Medicina no Brasil, mas a oferta de especializações ou residências médicas. “Não basta criar novos cursos de Medicina. É importante criar condições para os novos médicos se especializarem. Porém, o ensino da Medicina no Brasil tem evoluído. No passado, os estudantes atuavam somente dentro do hospital-escola e na atualidade eles devem atuar em todo o sistema de saúde da cidade, por isso o poder público deve ser envolvido”.

De acordo com Dr. Brasileiro, faltam médicos no mercado mundial. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde - OMS, o ideal seria um médico para cada mil habitantes, mas essa estatística é praticamente impossível devido às desigualdades culturais, econômicas e sociais das diversas áreas do mundo. Conforme pronunciamentos do ministro da Educação, Fernando Haddad, não existe óbice para abertura novos cursos de Medicina no Brasil, mas o grau de exigibilidade mudou de forma significativa. A FESP está trabalhando no sentido de cumprir todas as exigências para que o projeto possa ser recebido de forma positiva pelo MEC. Minas Gerais é o maior Estado do Brasil em número de escolas de Medicina sendo 28 no total, mas a distribuição é desigual. “Para propostas estruturadas e consistentes existe a possibilidade de abertura. Neste contexto, acredito no potencial da FESP para criar um curso de qualidade. Conheço escolas de Medicina que não têm a estrutura que a FESP hoje apresenta. Assim, para que este projeto se concretize são necessárias algumas competências acadêmicas como: estrutura física adequada, boa proposta pedagógica, corpo docente qualificado e corpo discente com bom nível de conhecimento. A FESP já cumpre diversas competências exigidas e o restante poderá ser conquistado com trabalho e esforço de toda comunidade acadêmica”, disse Geraldo Brasileiro. Representando a saúde pública de Passos, o Secretário Municipal de Saúde, o médico Cleiton Piotto enfatizou a necessidade de transformar o pensamento de ensino da medicina curativa para a medicina preventiva. “Ofereço o meu total apoio a esse projeto, pois enquanto gestor, sinto a falta de médicos na cidade de Passos”, disse Cleiton.

Santa Casa

A Santa Casa de Passos, representada pelo seu provedor, o médico Vivaldo Soares Neto, pelo seu diretor executivo Daniel Porto Soares, pelo presidente do Conselho Superior da Irmandade, o médico Walter Alvarenga de Oliveira e outros médicos, é um hospital regional, filantrópico, com 270 leitos, e há alguns anos iniciou um processo de educação continuada. Atualmente, oferece estágio para 73 estudantes de Medicina da UNIFENAS (MG) e encontra-se em processo e estudo de credenciamento como hospital-escola. “Trabalhamos no sentido de dar o melhor da saúde para a população de Passos e região. Com diversas ações executadas pela Santa Casa, como a construção do Hospital Regional do Câncer, diminuímos os gastos com o envio de pacientes para tratamentos em outras cidades, como por exemplo, Barretos (SP). Somos entusiastas desse processo e iremos apoiar e oferecer a estrutura, mas também precisamos de uma ajuda mútua para que possamos nos fortalecer e melhorar ainda mais nossa estrutura para que esse projeto do curso de Medicina em Passos se torne uma realidade”, explanou Vivaldo.

O Presidente do Conselho Superior da Irmandade também vê o projeto com bons olhos. “O objetivo básico da nossa instituição, proposto nos primórdios de seu trabalho tendo a frente o Barão de Passos, é a prática das obras de misericórdia. Temos que continuar com esse desafio. Vemos de forma positiva esse projeto, onde o envolvimento de todos os interessados é determinante para que tenhamos um curso de Medicina de qualidade em Passos. Temos que frisar sempre a qualidade do ensino”, disse o presidente Walter Alvarenga de Oliveira.

O professor da FESP, Dr. Pedro Messias da Silva, que também integra o corpo clínico da Santa Casa de Passos, ficou entusiasmado com a notícia e também ofereceu o seu apoio. “Gosto da iniciativa da encampação das unidades pela UEMG. Acho que esse trabalho é muito importante. Temos que dar a condição de ser criado o curso de Medicina em Passos. O prof. Fabio, enquanto presidente da FESP, está de parabéns!”, concluiu Pedro Messias. Ao término da reunião, o Presidente do Conselho Curador da FESP agradeceu a presença de todos e sugeriu a união de todos os setores - FESP, corpo docente, Santa Casa e Poder Executivo - para que o projeto possa continuar em desenvolvimento. “De agora em diante precisamos formar um grupo de trabalho. Queremos lembrar que o projeto não é da FESP, não é do Estado e sim de toda a comunidade que será beneficiada”, concluiu Fabio Kallas. O projeto de implantação do curso de Medicina foi apresentado ao médico Dr. Wesley Ribeiro Campos que passou a integrar a equipe na finalização da proposta a ser apresentada ao Ministério da Educação – MEC, passando a fazer parte do Núcleo Docente Estruturante.

Nesta semana foi apresentado a todo o corpo Clínico da Santa Casa que passou a incorporar a proposta da instituição com seu apoio e envolvimento.

A FESP irá apresentar o projeto estruturado para as autoridades públicas municipais em momento propício e oportuno.

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing