Procurando aprimorar os trabalhos realizados no Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Passos da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG), a equipe de coordenação do núcleo participou no final de abril do II Seminário da Rede de CVTs realizado em Caetanópolis (MG). Os coordenadores dos 84 CVTs do Estado de Minas Gerais se reuniram com o objetivo de traçar as diretrizes da Rede para o ano de 2012.

O evento teve também o intuito de alinhar as ações propostas pela Superintendência de Inovação Social de acordo com premissa da gestão do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, com o propósito de promover a integração das equipes e apresentar os resultados obtidos.  “A Rede Mineira de CVTs irá fazer ainda mais. Assumimos o compromisso de ampliar as ações de inovação social como instrumentos de formação da cidadania. Até 2014, chegaremos a 100 CVTs em funcionamento. Além disso, vamos duplicar as salas de videoconferência para a capacitação a distância”, disse a Superintendente de Inovação Social, Lélia Inês Teixeira.

Os coordenadores tiveram a oportunidade de esclarecer dúvidas pessoalmente e, ainda, acesso às novidades que farão parte da estrutura dos CVTs como a Lousa Interativa, apresentada pela Diretoria de Tecnologia. Também foram apresentados os resultados da Pesquisa de Egressos, o Relatório Mensal de Atividades e a nova grade de cursos. O evento contou também com a participação da equipe de treinamento da Intel, que capacitou os coordenadores para os módulos do Intel Aprender, programa que será estruturado na Rede de CVTS para qualificação de mais de 20 mil jovens de 15 a 21 anos.

Os CVTs tiveram participação ativa no seminário com a apresentação dos resultados obtidos nos projetos desenvolvidos durante II Festival de Projetos da Rede CVT. Os CVTs surpreenderam a equipe da SECTES com resultados expressivos. “Isso mostra a mudança cultural que já alcançamos. Estou emocionada”, disse Lélia.

O CVT Passos da FESP apresentou a proposta do CVT e a Saúde - Ano II. Na oportunidade, Lélia manifestou o seu apoio ao projeto, inclusive realizando a nota técnica de recomendação do projeto junto ao diretor de tecnologia da SECTES, Olivan Rodriguez. Segundo o diretor, a secretaria irá tentar viabilizar junto a RNP a conexão da Rede Rute de Telemedicina à rede CVT o que poderá viabilizar o SIG (Special Interest Group) de Hanseníase, que é um grupo especial de interesse nas Especialidades da Saúde.

Participam do SIG a FESP/UEMG e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sendo o Núcleo de Assistência, Ensino e Pesquisa em Hanseníase (NAEPH-FESP) o setor responsável da instituição.

O objetivo do SIG é promover a difusão e discussão a distância de conhecimentos técnico-científicos na área da Hanseníase, com uso de tecnologias da comunicação e da informação, em especial da ferramenta da videoconferência

O responsável pelo SIG de Hanseníase será o Dr. Carlos Alberto Faria Rodrigues, professor da FESP, reconhecidamente uma das maiores referências brasileiras em Hanseníase, mantido pela FESP. “Nossa participação mostrou que o CVT FESP está fazendo um trabalho eficiente e que os resultados estão sendo obtidos com o reconhecimento de toda a comunidade de Passos”, disse o coordenador do CVT FESP, Professor Me. José de Paula Silva.

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing



A cidade de Piumhi (MG) recebeu no último final de semana o projeto Praça Viva, promovido pela Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG). A atividade promoveu diversão e lazer para crianças do Projeto Minas Olímpica de Piumhi. O evento foi realizado no sábado (28) no Ginásio Poliesportivo da cidade.

Vários brinquedos infláveis, oficinas, jogos chamaram a atenção das diversas crianças que foram até o ginásio para ter um dia de alegria e descontração. O Praça Viva FESP está sendo levado para cidades da região expandindo o projeto com objetivo de atender a toda a comunidade regional, promovendo iniciativas de responsabilidade social. Em Piumhi, o projeto foi promovido com o apoio da Prefeitura Municipal. Professores e alunos do curso de Educação Física coordenaram as atividades do evento durante o período matutino, das 9h às 12h.

Coordenado pelo Professor Itamar José de Oliveira Junior, o Praça Viva FESP é um projeto de extensão que procura criar relação direta entre o corpo docente e discente da FESP com a comunidade através de atividades relacionadas com esportes e recreações. O projeto já é sucesso de público e cresce a cada ano com novas estruturas de brinquedos e atividades diversas contribuindo para a formação de crianças e adolescentes e propiciando a prática dos estudantes de Educação Física em contato direto com atividades educativas.

Fonte: Departamento fdde Comunicação e Marketing da FESP



Mais uma vez o projeto Praça Viva da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG) foi sucesso na região. Dessa vez a cidade de São Sebastião do Paraíso recebeu o projeto durante as comemorações do “Dia do Cidadão Rural”, realizado no Parque de Exposições da cidade. O Praça Viva FESP foi realizado no dia 24 de março (sábado) das 8h às 16h.

Juntamente com o Escola Viva, o Praça Viva é um evento com atividades promovidas pelo curso de Educação Física com o objetivo de levar lazer, diversão e a prática da cidadania por meio do esporte e recreação para crianças e adolescentes de Passos e região. Em Paraíso, participaram 25 acadêmicos do curso de Educação Física que fizeram o monitoramento das atividades que teve 2.982 atendimentos entre brinquedos infláveis como torre de escalada, futebol de sabão, tobogã e outros.

De acordo com o professor coordenador do projeto, Itamar José de Oliveira Junior, o ponto de destaque do evento foi a oportunidade de uma cadeirante participar dos brinquedos infláveis, chamando a atenção de todos os presentes com a dedicação dos estagiários que contribuíram dando o suporte necessário para que garota realizasse seu sonho de escalar, escorregar, jogar basquete e ainda saltitar na cama elástica. “O sucesso do projeto mais uma vez foi confirmado na região.

Estamos recebendo inúmeros convites para realizarmos eventos em cidades da região. Isso demonstra que estamos tendo resultado, alcançando a consolidação do projeto e levando lazer e alegria para as crianças e adolescentes de todo o sudoeste mineiro”, disse Itamar. No próximo sábado, dia 14 de março, o Educadário Senhor Bom Jesus dos Passos, em Passos, recebe o projeto Escola Viva.

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing



Um software moderno desenvolvido pelo ex-aluno do curso de Sistemas de Informação, Fernando Roberto Proença, que concluiu o curso em 2010, está sendo utilizado para controle da arborização urbana no Projeto Corredor Verde.

O desenvolvimento do software foi tema do trabalho de conclusão de Fernando orientado pelo Professor MsC. Gualberto Rabay. De acordo com Rabay a ideia do projeto surgiu antes mesmo de serem iniciadas as atividades do Projeto Corredor Verde que é um projeto da FESP com diversas parcerias, desenvolvido pelos cursos de Engenharia Ambiental e Agronomia, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população. O projeto ajuda a planejar o plantio de árvores nas calçadas e acompanha o estado daquelas que já foram plantadas.

A proposta de que fosse criado um programa de computador para ser utilizado no Corredor Verde foi solicitada pela Professora Dra. Sônia Zampieron que conheceu os trabalhos de Fernando e como os aplicativos do software atendiam bem às necessidades do projeto, o trabalho se concretizou.

O Corredor Verde teve início em agosto de 2009, visando um melhor controle e gerenciamento das arvores da cidade de Passos já que uma arborização sem planejamento pode ocasionar diversos danos como galhos em contato com a fiação elétrica e raízes destruindo as calçadas. As parcerias do Corredor Verde são entre a FESP, Promotoria de Justiça, Cemig, Associação Regional de Proteção Ambiental (Arpa) e a Prefeitura de Passos.

O trabalho de Fernando e Rabay traz benefícios imediatos para a população, pois a ideia é que o software seja disponibilizado on-line no site da FESP, por exemplo, para que o próprio cidadão que tem uma árvore plantada na calçada de casa possa ter acesso e controlar quando for preciso fazer a poda e outras características do processo de crescimento das árvores. Auxiliando no controle de arborização o administrador do software cadastra as árvores georreferenciadas marcando as coordenadas como latidude e longitude no mapa através do sistema “Google Maps”. Após o cadastro a árvore passa a ser visualizada no mapa permitindo ao navegante internauta solicitar uma manutenção da mesma. “A principal ideia é passar para a população como estão as situações das árvores da cidade, pois o próprio cidadão comum poderá monitorar as árvores cadastradas”, explica Fernando ressaltando que qualquer morador poderá entrar no sistema e enviar um e-mail ao administrador solicitando qualquer tipo de manutenção necessária.

O cadastro das árvores é feito pela equipe do Corredor Verde. “Mas nada impede que a população busque o cadastro daquela árvore que está na porta da própria casa”, completa Fernando. Para ele ver o trabalho utilizado no Corredor Verde é motivo de muito orgulho. “Com o apoio da FESP a gente conseguiu desenvolver o sistema, teve uma boa repercussão e agora ele tem continuidade ajudando toda a cidade de Passos”.

O jovem hoje cursa mestrado na Universidade federal de São Carlos (UFSCar) e para ele o trabalho desenvolvido na FESP contribuiu para a conquista da vaga na pós-graduação. “O trabalho contribuiu para minha conquista e ele é importante porque pode perfeitamente ser utilizado em outras cidades e em outros projetos necessitando apenas de algumas poucas adaptações”, disse. Para o orientador Rabay os resultados alcançados com o software também é motivo de orgulho. Um programa que cadastra, identifica e facilita o trabalho de órgãos e instituições que cuidam do meio ambiente mostra a importância da informática na vida das pessoas. “Trabalhar com o Fernando foi muito bom e muito produtivo. Ele é um estudante talentoso, que tem perseverança e curiosidade, características primordiais para que o resultado fosse um sucesso”, concluiu o professor.

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing



A Escola Municipal Jalile Barbosa Calixto irá receber no próximo sábado (17) das 9 às 12h o projeto Escola Viva promovido pelo curso de Educação Física da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG).

O projeto leva a crianças e adolescentes, entretenimento e recreação promovendo o resgate de valores prezados pela sociedade tais como: relacionamento harmonioso, respeito, partilha, autonomia, autoconfiança, entre outros. Uma das principais característica do Escola Viva é promover a participação dos acadêmicos de Educação Física na construção e realização do evento.

As atividades recreativas são distribuídas em seis estações: Dança/Arte, Jogos com raquetes, Jogos/Brincadeiras, Construção de brinquedos, Esportes adaptados e Combate. Elas são preparadas durante as aulas práticas de “Recreação e Lazer”, ministradas pelo professor Itamar José de Oliveira Júnior para os alunos do 3º período. Em grupos, os estudantes são responsáveis pela elaboração das atividades e pela programação sob a orientação do professor. “Com esse projeto é possível que os alunos desenvolvam suas habilidades e competências. Com isso, o profissional que formamos estará mais bem preparado porque aliamos a teoria à prática. Por outro lado, há também a possibilidade de envolver crianças e adolescentes em atividades recreativas que muitas vezes não fazem parte do seu dia-a-dia. Por isso se trata de um evento inovador”, destaca Itamar lembrando que o público atendido é definido pela escola. “Algumas aproveitam um dia festivo para reunir a comunidade escolar: amigos dos alunos, familiares e vizinhança”.

De acordo com o professor, o Escola Viva se difere do Praça Viva, outro projeto que também é sucesso em Passos e região, já que os atendimentos são mais direcionados. O Praça Viva tem como objetivo principal levar lazer, através de brinquedos infláveis e jogos industrializados, às praças públicas de Passos e região. O acadêmico é apenas um monitor das atividades. A participação é livre, ou seja, qualquer criança de 3 a 15 anos poderá se divertir. Já o Escola Viva é realizado apenas em escolas e a participação dos acadêmicos é mais efetiva. “Além de monitores, eles são os construtores das atividades. Isso promove a integração entre professores e funcionários da escola que vivenciam as atividades com seus alunos e elas poderão fazer parte de seu planejamento escolar. São atividades interessantes e diversas tais como: confecção de máscaras de gesso, pintura facial, construção de brinquedos com materiais recicláveis, danças e outros”, destaca Itamar.

O projeto é uma oportunidade para a FESP de prestação de serviço à comunidade. Conforme ressalta Itamar “os espaços para lazer são raros e caros. Apenas uma pequena parcela da sociedade tem acesso a eles”. Com os projetos Praça Viva e Escola Viva a comunidade de uma forma abrangente tem acesso a uma recreação divertida e saudável já que conta com o monitoramento dos acadêmicos de Educação Física. “O projeto é uma preocupação da FESP em promover a responsabilidade social. Aí vai um alerta: como toda criança é especialista em brincar cabe à sociedade lhe fornecer os brinquedos. Criança feliz, sociedade saudável”, conclui o professor.

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing



Notícias por ANO e MÊS

Calendário de Noticias e Eventos

<<  outubro 2020  >>
seteququsedo
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678