Marina Maia Gischewsky, estudante do 8º período do curso de Engenharia Ambiental, foi premiada no X Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas (MG), realizado no último dia 24. O evento, que é de grande relevância no seu domínio de exposições, recebeu 300 trabalhos de todas as regiões do Brasil e, dentre os 10 selecionados para apresentação oral, o desenvolvido pela aluna da FESP foi conceituado como o melhor do congresso.

Segundo a congressista, “a FESP foi fundamental para a conclusão deste trabalho porque contribuiu com toda assistência necessária para a pesquisa. Participar deste congresso, que atualmente é considerado o de maior referência ambiental no país, é muito importante para a minha formação. Estou na minha terceira iniciação científica, em todas tive bolsa, e pude aprender muito nessa área. Vou concluir meu curso no ano que vem e estou saindo com uma bagagem bacana porque a FESP me proporciona isto”, declarou.

A pesquisa intitulada “Utilização de técnicas de análises em sistemas aquáticos existentes no entorno do Parque Nacional da Serra da Canastra para verificar possíveis contaminações por metais pesados” foi realizada por Marina, durante o ano de 2012, como projeto de iniciação científica, viabilizado por meio de bolsa cedida pelo Programa de Incentivo à Pesquisa (PAPq).

Com orientação do professor João Vicente Zampierom e coorientação da professora do curso de Biologia Nelci de Lima Stripari, o trabalho envolveu a análise de amostras coletadas na área do parque Nacional da Serra da Canastra com o objetivo de fazer um monitoramento da qualidade da água usando como biomonitores os macroinvertebrados (animais invertebrados e visíveis a olho nu, encontrados frequentemente em rios, servindo como importante fonte de alimento para peixes). Após triagem e análise das amostras em laboratórios da FESP, UFSCAR e UNAERP, foi possível verificar a presença de Mercúrio no material coletado, em níveis acima do permitido pela resolução número 357 do Conselho Nacional do Meio-Ambiente (CONAMA), que regula a classificação dos corpos de águas e diretrizes ambientais. 

Pela importância do Parque Nacional da Serra da Canastra, que abriga a nascente do rio São Francisco, a pesquisa de Marina foi escolhida para apresentação oral no Congresso de Meio Ambiente de Poços de Caldas e, devido ao seu desempenho, recebeu o prêmio em primeiro lugar na classificação, garantindo a publicação do seu artigo na Revista Agrogeoambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) Sul de Minas. 

De acordo com o orientador da pesquisa de Marina, professor João Vicente Zampierom, “O X Congresso Nacional de Meio Ambiente trouxe temas relevantes em relação aos problemas que se enfrentam hoje devido à demanda por novas tecnologias e, também, trouxe personagens importantes juntos das empresas que buscam respostas para tais problemas. Dentro deste cenário, centenas de trabalhos foram expostos e as nossas alunas fizeram apresentações exemplares, com conhecimento científico aliado à tecnologia. Agradecemos ao professor Fabio Kallas que sempre apoiou nossas linhas de pesquisas, o que é fundamental”, declarou.

Participaram também do congresso em Poços de Caldas a aluna Valeria de Paula Pereira, também do 8º período da Engenharia Ambiental, que expôs trabalho em pôster, e o aluno Pedro Henrique Villas Boas, do 7º período, que participou como ouvinte.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



Camila Belfort Piantino, professora dos cursos de Biomedicina e Enfermagem da FESP, teve artigo referente à sua tese de doutorado publicado na Revista Clinics. A pesquisa inédita sobre a atuação do Prima-1 sobre o gene p53 é parte da edição de Março do periódico mensal da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), de grande relevância no tocante à divulgação científica na área da saúde.

O artigo segue o tema trabalhado por Camila Piantino na sua dissertação de mestrado, a qual englobou o estabelecimento de linhagens tumorais de câncer de próstata e de bexiga para estudos in vitro. O título “Prima-1 induces apoptosis in bladder cancer cell lines by activating p53", finalizado na tese de doutorado em Julho de 2012 e agora já publicado, analisa a atuação do composto químico Prima-1 em células de câncer de bexiga com alterações no p53, gene envolvido no controle do ciclo celular.

“O estudo vem comprovar a utilidade do composto Prima-1 no tratamento de pacientes que têm o gene p53 modificado. No caso, se este paciente for diagnosticado com câncer e se o Prima-1 for aplicado, pela capacidade que o composto tem de reparar a mutação genética, suas chances de ter uma boa recuperação serão as mesmas de um paciente com o p53 normal”, explicou a pesquisadora.

Ainda segundo a docente do curso da FESP, a divulgação da sua pesquisa inédita vem colaborar com outros estudos que envolvem o tratamento de câncer de próstata e bexiga. Além disso, depois do árduo trabalho empreendido, um dos principais objetivos inerentes a um programa de pós-graduação é a publicação em periódicos científicos. “Após a análise dos resultados obtidos na minha tese de doutorado, foi elaborado o artigo o qual foi submetido e aprovado pela Revista Clinics, que possui considerável fator de impacto na área da saúde. Por isso esta publicação é uma conquista pra mim, significa que meu trabalho foi reconhecido e está contribuindo para o avanço do conhecimento na área relacionada ao tema”, declarou a professora.

Diretamente ligada à linha de pesquisa referente a neoplasias urológicas, especificamente ao câncer de próstata e bexiga, Camila Piantino tem importante papel desempenhado na conscientização do diagnóstico precoce do câncer de próstata, ministrando palestras junto ao projeto “Terço dos Homens”, coordenado pela professora Evania Nascimento.

Camila Piantino orienta estudos da mesma especificidade na FESP e tem no currículo mais sete publicações - em periódicos nacionais e internacionais - todas na área de uro-oncologia. De acordo com a professora “o objetivo atual é prosseguir com pesquisas sobre esta temática junto à FESP para que possamos publicar mais artigos, colocando o nome da nossa instituição como referência na produção de conhecimento científico”.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



A FESP comunica os novos resultados do Programa Ciência sem Fronteiras. Foram aprovados mais 4 alunos para estudar no exterior. Os países de destino são Canadá e Reino Unido. Os estudantes são do Curso de Engenharia Civil e Engenharia de Produção da FESP. O início das atividades está previsto para os meses de junho e julho. Antes de iniciar as atividades os estudantes irão cursar um intensivo de inglês. 

Os alunos aprovados são: Khauston Augusto Pereira Alves, aluno do 5º período de Engenharia de Produção, Maria Luiza Pereira Zaghi, aluna do 3º período de Engenharia de Produção, Larissa Keliany Oliveira, 5º período de Engenharia de Produção e Jéssica Viana Evangelista, aluna do 7º período de Engenharia Civil. 

Os estudantes aprovados, inicialmente haviam inscritos suas candidaturas para Portugal, mas tendo em vista a excelente pontuação dos mesmos no ENEM, o programa, propôs a transferência destas candidaturas para país de língua inglesa e para tal ofereceu aos alunos um curso de idiomas com duração de 3 a 6 meses, antes do início de seus estudos na graduação. Os mesmos terão que realizar teste de proficiência em inglês no final do período de curso de inglês para iniciarem suas atividades acadêmicas de graduação. Todos os alunos que receberam a proposta aceitaram a alteração de país, e foram denominados como “Reoptantes”. Estes alunos apresentaram resultados excelentes durante o processo seletivo, desta forma, a FESP os parabeniza pela conquista.

A Coordenadora do Programa Ciência sem Fronteiras da FESP e Coordenadora de Pesquisa e Extensão da instituição, Marisa da Silva Lemos, afirma que as universidades contempladas por estes alunos estão na lista das melhores do mundo na área de conhecimento de engenharia. A coordenadora informa, também, que o programa irá disponibilizar um portal de estágio e empregos nas melhores empresas brasileiras para os alunos participantes deste programa.

O aluno Khauston Augusto Pereira Alves, que cursa o 5º período de Engenharia de Produção, foi aprovado para estudar no Reino Unido. O estudante comenta que estudar em uma universidade no exterior sem dúvidas será uma grande oportunidade de multiplicar o seu conhecimento, além de ter a chance de aprender um novo idioma. Isso só foi possível graças ao apoio da família, dos amigos e da CPEX, Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP, onde a Coordenadora do Programa Ciência sem Fronteiras, Marisa da Silva Lemos e o Jornalista / Assessor, Étory Zaghi sempre nos acompanharam com atenção durante todo o processo. Agora é aproveitar ao máximo o Programa CsF e depois contribuir com o nosso país em tudo aquilo que obtivermos de conhecimento neste intercâmbio.

A aluna Maria Luiza Pereira Zaghi, do 3º período de Engenharia de Produção, foi aprovada para estudar no Reino Unido. A estudante esta muito feliz pela oportunidade que o Governo Federal está oferecendo aos estudantes brasileiros. “É um grande sonho que vou realizar, além de estudar em uma universidade no exterior, vou aprender outro idioma. Terei a oportunidade de crescer pessoalmente e profissionalmente, conhecer outras culturas, e posteriormente isso será revertido em prol do bem de nosso país. Agradeço aos familiares, amigos, e especialmente a Marisa Silva Lemos e ao Étory Zaghi, da CPEX / FESP, que me auxiliaram durante todo o processo do CsF”.

A aluna Larissa Keliany Oliveira, cursa o 5º período de Engenharia de Produção, foi aprovada para estudar no Reino Unido. A estudante está muito feliz em conseguir essa bolsa através do Programa Ciência sem Fronteiras. “Será uma grande oportunidade para melhorar meu currículo”. Viver em outro país, aprender um novo idioma e continuar meus estudos, já iniciado na FESP, sem dúvidas é uma grande experiência que vou conquistar. Gostaria de agradecer primeiramente a Deus que agiu a todo instante, a minha família e aos meus amigos que sempre deram apoio e força. Agradeço a toda a equipe da CPEX / FESP, em especial a Marisa da Silva Lemos e a Étory Zaghi que sempre estiveram prontos a nos atender.

A aluna Jéssica Viana Evangelista, está cursando o 7º período de Engenharia Civil, foi aprovada para estudar no Canadá. A aluna comenta que o Programa Ciência sem Fronteiras abre as portas para os estudantes do todo o Brasil. “Estou muito feliz por ter esta oportunidade. Será maravilhoso estudar em uma universidade canadense e aperfeiçoar meus conhecimentos e aprender um novo idioma. Agradeço a Deus pela oportunidade, a todos que estão auxiliando nesse processo e em especial a aqueles que sempre estiveram ao meu lado e acreditaram em mim”.

O objetivo das bolsas de estudo no exterior é fortalecer e expandir as iniciativas em ciência, tecnologia, inovação e competitividade através da mobilidade internacional dos estudantes. 

Eduardo Goulart Collares, Diretor do Núcleo Acadêmico de Pós – Graduação, Pesquisa e Extensão da FESP, afirma que a qualificação destes alunos dará uma grande contribuição para colocar o Brasil dentre os países de ponta em relação à pesquisa científica e inovação. Atualmente ocupamos o 13º lugar mundial em produção científica e temos potencial para melhorar esta posição. 

Os aunos interessados em estudar no exterior por meio do Programa Ciência sem Fronteiras / FESP, poderão obter orientações através da Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP, o CPEX, na Rua 3 de Maio, número 33, Centro de Passos – Telefone (35) 3529 – 8080. 

FONTE: COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FESP - CPEX



A Fundação de Ensino Superior de Passos deu início a uma importante pesquisa sobre a influência do free stall, um sistema de confinamento de vacas leiteiras que oferece maior conforto aos animais. A hipótese é de que o bem-estar proporcionado pelo sistema aumente a produtividade de leite. A pesquisa intitulada “Avaliação do bem-estar animal de vacas leiteiras criadas em sistema tipo free-stall utilizando o protocolo welfare quality” terá a participação da professora doutora Maria Clara de Carvalho Guimarães, da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), juntamente com a professora doutora Rita de Cássia Ribeiro Carvalho, docente do curso de Agronomia da FESP. 

A pesquisa fará o monitoramento de indicadores para a avaliação de bem-estar animal, através do protocolo europeu Welfare Quality, uma técnica de avaliação que observa quatro princípios: alimentação, instalações, saúde e comportamento adequado. A aplicabilidade deste protocolo na realidade brasileira também será estudada na pesquisa.  

A professora Dra. Maria Clara Guimarães é parceira da FESP no desenvolvendo projetos desde que recebeu o convite para ministrar um curso no FESP INOVA-2012. De acordo com a professora Rita de Cássia, o trabalho tem rendido bons frutos. “Recentemente foi aprovado, pela FAPEMIG, um projeto da professora Maria Clara e ela nos convidou a participar, isso é muito importante para nós, pois a cada parceria, a FESP cresce e isso representa o interesse do nosso corpo docente em contribuir para cada vez mais elevar nossa IES”, avalia a docente.

A professora Rita de Cássia explica que a preocupação, por parte da população, em relação ao bem-estar animal é cada vez maior e, por esta razão, esta característica tornou-se de extrema importância na agropecuária. Além disso, vários resultados de pesquisas têm demonstrado que manter os animais em conforto aumenta os níveis produtivos.

A pesquisa também viabiliza a confecção de artigos científicos, participação em eventos, publicação e divulgação de trabalhos inovadores, além de trazer promover o compartilhamento de conhecimento e troca de experiências entre os professores e alunos das duas instituições. 

Participam diretamente do projeto os estudantes Rúbia Mara Tomé, do 7º período de Engenharia Civil da FESP, cuidando das instalações; Gabriel Machado Dallago, graduando de Zootecnia da UFVJM e Paloma Lila Brito de Moura Godinho, do 3º período do curso de Agronomia da FESP.

O trabalho também conta com a participação do zootecnista Ricardo Ferreira Godinho, mestre em produção animal e também docente do curso de Agronomia da FESP, que participou na definição da metodologia e supervisiona o trabalho dos alunos. Segundo ele, a oportunidade de trabalhar com professores de outras instituições agrega o compartilhamento de experiências diferentes para os dois lados, além do envolvimento e ganho de alunos tanto da UFVJM quanto da FESP. 

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



A CPEX, Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP, informa que no ano de 2013 foram inscritos 164 alunos para concorrer aos programas que disponibilizam bolsas de iniciação científica. Este ano já foram 99 bolsas com incentivo financeiro disponibilizado aos alunos. A FESP em cinco anos alcançou um novo recorde em submissão de trabalhos de pesquisa e extensão. Os órgãos financiadores associados à instituição que incentivam a promoção ao desenvolvimento científico e tecnológico com projetos em diversas áreas são a FAPEMIG, UEMG, FESP e CNPq. 

De acordo com o Diretor do Núcleo Acadêmico de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da FESP, Eduardo Goulart Collares, o aluno da FESP amadureceu muito no decorrer destes últimos anos com relação à importância dos trabalhos de pesquisa e extensão na sua formação profissional e no seu currículo. Este número recorde de inscrições é um reflexo disso.

A FESP distribui 30 bolsas através do Programa PIBIC / FAPEMIG, 15 bolsas para o Programa BIC Júnior / FAPEMIG, 19 bolsas para o Programa PAPq / UEMG em pesquisa, 20 bolsas  para o Programa PAEx / UEMG voltado para projetos de extensão, 7 bolsas para o Programa PIBIC / FESP em pesquisa, 5 bolsas para o programa PAEx / FESP para o desenvolvimento em projetos de extensão e 3 bolsas para o programa do CNPq. 

O programa da FAPEMIG visa selecionar candidatos para o preenchimento de bolsas de Iniciação Científica, seu objetivo é induzir e promover a pesquisa e a inovação científica e tecnológica para o desenvolvimento do Estado de Minas Gerais. No ano de 2013, 45 alunos bolsistas se inscreveram.

O programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da Universidade do Estado de Minas Gerais – PAPq / UEMG e PAEX/UEMG aconteceu entre os dias 15 à 18 de março de 2013 na FESP, com submissão de trabalhos científicos voltados a pesquisa e extensão. Foram disponibilizados 20 Bolsas de Pesquisa e 19 de Bolsas para Extensão. O objetivo do programa é promover a pesquisa e a extensão de modo a contribuir para a formação de cidadãos comprometidos com o desenvolvimento e a integração dos setores da sociedade e das regiões do estado. Este ano foram 99 inscritos para os programas.

O Programa PIBIC / CPNq tem como missão Fomentar a Ciência, Tecnologia e Inovação e atuar na formulação de suas políticas, contribuindo para o avanço das fronteiras do conhecimento, o desenvolvimento sustentável e a soberania nacional. O edital para submissão de projetos para o CNPq, está previsto para o mês de julho de 2013 e somente professores doutores podem concorrer.

A Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESP, Marisa da Silva Lemos acredita que o aumento do número de submissão dos projetos este ano é resultado de uma conscientização que esta Coordenação vem realizando realizada através de palestras nos cursos de graduação sobre a importância da participação em projetos de pesquisa e extensão na vida acadêmica de nossos alunos.

Outro dado importante destes programas é que foram disponibilizados um total de 9 bolsas para pesquisadores e extensionistas, sendo 3 para professores extensionistas e 6 para professores pesquisadores.

Em 2013, a Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP, o CPEX, selecionou alunos do ensino médio para participarem do Programa de Bolsa de Iniciação Científica BIC Júnior / FAPEMIG / FESP. Foram 20 alunos do ensino público do Colégio Tiradentes inscritos para concorrer a 15 bolsas de Iniciação Científica. O objetivo do Programa é favorecer estudantes do ensino médio de escolas públicas federais, estaduais e municipais mediante processo de seleção no desenvolvimento da vocação científica, ampliando sua formação em ambientes de pesquisa. 

 

Alunos inscritos nos editais da UEMG e FAPEMIG

ANO           UEMG PESQUISA UEMG EXTENSÃO  FAPEMIG       TOTAL

2009                  62                         67                      -                129

2010                  41                         34                     27               102

2011                  34                         53                     40               127

2012                  32                         26                     37                95

2013                  60                         39                     45               164

 

FONTE: Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP - CPEX



Notícias por ANO e MÊS

Calendário de Noticias e Eventos

<<  dezembro 2020  >>
seteququsedo
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
45678910