Julio Cesar Machado, professor dos cursos de Letras, Pedagogia e Engenharia Ambiental da FESP, foi aprovado em processo para doutoramento no exterior, no qual lhe foi concedida uma vaga no programa “Sanduíche” pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Após ser aprovado, primeiramente, pela sua orientadora, a Drª Marion Carel – considerada referência nos estudos de semântica e argumentação – o professor Julio Cesar Machado também conseguiu aval para o Doutorado no programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) e, por conseguinte, sua pesquisa, já em percurso sob o título “Política Definitória e Ideias Semânticas: um estudo enunciativo sobre o sentido e a definição” será desenvolvida, em parte, no cenário científico de Paris, na França, principalmente na l’École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), onde a Drª Marion Carel é Directrice d'études et Professeur d’Argumentation et énonciation dans la langue. 

Os estudos do professor da FESP estão diretamente relacionados à produção de dicionários e sua utilização no Brasil. De acordo com o doutorando pesquisas diversas sugerem que a cada 98 minutos uma nova palavra é criada. “Elas simplesmente nascem às centenas e, nem a academia, nem os lexicógrafos conseguem lidar com isso. Minha pesquisa quer trabalhar este fenômeno da insuficiência das palavras para tratar sentidos que aparecem aos milhões sem palavras suficientes para defini-los e, na contrapartida, a necessidade frustrada de registrar essas palavras na totalidade. O objetivo não é propor limites para o uso da palavra. Trata-se, antes, de assumir certas palavras como pertencentes a nossa língua”, explicou Machado.

Ainda segundo ele, a maioria dos mais conhecidos dicionários corta certas palavras por julgá-las como não “nobres ou éticas”. “Minha trabalho é integrativo nesse sentido: se falamos, se os falantes usam, se pobres e doutores utilizam, então é fala, tem seu sentido e é nossa língua. Defendo, de certa forma, uma ‘democracia semântica’ em detrimento a uma ‘ditadura semântica’ de certos dicionários”, justificou.

Julio Cesar Machado é professor da FESP desde 2010. Além das aulas também se ocupa das pesquisas na CPEX, coordena o “Grupo de Investigações Semânticas e Discursivas da Fesp – GISD”, atualmente tem 6 bolsistas de Iniciação Científica, publicou livro no começo deste ano e organiza a Jornada em Linguistica, realizada pela FESP, em segunda edição no dia 29 de Junho.

Qual a emoção, professor Machado? “Um vaga-lume me fascina, uma formiga me faz escrever um artigo... O que direi da companhia de mentes tão brilhantes? Prometo contar quando estiver de volta. Fico feliz em contribuir com o rigor internacional para a reconhecida qualidade das pesquisas na FESP. Sou imensamente grato ao apoio dos meus colegas de trabalho, especialmente agradeço ao presidente Fabio Kallas e ao diretor Anderson Jacob”, finalizou.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



O curso de Letras da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG) obteve na última avaliação do Ministério da Educação (MEC) a nota geral 4, o que significa que o curso supera as exigências do ministério. A escala de avaliação varia de 1 a 5 e a nota 4 representa um alto reconhecimento para a IES (Instituição de Ensino Superior).

A comissão de avaliação in loco esteve na FESP nos dias 28 e 29 de abril.  Outros cursos da FESP, avaliados no ano passado também obtiveram excelente desempenho. “A avaliação do MEC fortalece nosso trabalho e consolida a importância da FESP para o Ensino Superior de Minas Gerais”, afirma o professor Fábio Pimenta Esper Kallas, presidente do Conselho Curador da FESP.

Para o coordenador do curso de Letras, professor Anderson Jacob Rocha, o bom resultado é fruto da dedicação de toda equipe da FESP. “O curso de Letras, vem intensificando, desde 2005, o trabalho de reformulação na grade curricular, realizando trabalhos de extensão como os Festivais de Interpretação, da Canção, da Poesia, o projeto de Reforço Escolar para alunos de ensino fundamental e médio da rede pública e o curso de nivelamento de Português e Inglês para todos os alunos e funcionários da FESP. O reconhecimento é importante porque nos confirma o conhecimento de que os profissionais da educação na área específica, de nossa região, estão recebendo do curso, apontamentos que seguem as diretrizes nacionais”, comentou Anderson.

De acordo com o coordenador, a avaliação do MEC permite enxergar a dimensão do trabalho que é realizado com projetos de extensão junto à comunidade. “E também valoriza os nossos professores e alunos. Temos notícias de vários ex-alunos que estão brilhando em outros lugares. O sistema de egressos da FESP nos auxilia nisso”, completou.

Além das atividades de extensão, também são realizadas no curso de Letras viagens culturais como, por exemplo, para o Museu da Língua Portuguesa, Ouro Preto, Mariana, São João del-Rei que permite um conhecimento dinâmico e abrangente do aluno da FESP. A divulgação do conhecimento também chamou a atenção dos avaliadores, pois o curso promove anualmente a Semana Universitária e o Colóquio de Letras para atualização dos alunos e divulgação de trabalhos realizados.

Além disso, o curso conta com um laboratório de língua que possui um software moderno para ensino de Língua Inglesa. “O curso tem professores experientes e qualificados, amplo acervo bibliográfico e o estágio supervisionado e o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) seguem rigorosamente as diretrizes curriculares”, lembra Anderson.

A comunidade acadêmica recebeu entusiasmada o resultado da avaliação do MEC. O curso de Letras da FESP oferece 50 vagas anualmente no vestibular de fim de ano, as aulas acontecem no período noturno e o curso tem duração de 3 anos. A modalidade do curso é Licenciatura e o aluno sai preparado para trabalhar com o ensino de Língua Portuguesa e Inglesa na educação básica (ensino fundamental II e médio)

Fonte: Agência Escola



Um grupo de 13 alunos dos cursos de Letras e Matemática da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP/UEMG), acompanhados pelo professor Júlio César Machado visitaram o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. A viagem teve o objetivo de propiciar aos visitantes outros “olhares” para a Língua Portuguesa, além dos livros didáticos.

Para o professor Júlio o museu é uma das poucas iniciativas que permitem vislumbrar o português de forma interdisciplinar, cultural, mais interacional que gramatical ou cheia de regras. “O Museu da Língua Portuguesa consegue por em relevo o que todo professor desta disciplina quer e, às vezes, não consegue que é evidenciar que o português é "além-letras", cheio de vida, útil para tudo e não um conjunto de regras antigas guardadas em um livro, que a gente vê na escola e depois esquece tudo. Não conseguimos viver em nenhum âmbito no Brasil sem o português”, disse.

“A participação dos alunos da FESP em passeios, visitas e eventos fora de Passos é uma tradição, o que evidencia o papel da instituição em promover a aprendizagem global do aluno, integrando-o junto à vida e aos aspectos da sociedade”, afirma o presidente do Conselho Curador, professor Fábio Pimenta Esper Kallas.

“A FESP é uma instituição com uma filosofia moderna e ousada que põe crédito em eventos extra-classes promovendo o enriquecimento dos alunos para serem bons profissionais no futuro”, comentou Júlio.

O passeio ao Museu da Língua Portuguesa é mais uma forma dos cursos da Faculdade de Filosofia de Passos (Fafipa) de proporcionar experiências inter-regionais e aulas não convencionais. Os alunos que participaram da excursão ficaram satisfeitos com o conhecimento adquirido.

Fonte: Agência Escola



Notícias por ANO e MÊS

Calendário de Noticias e Eventos

<<  julho 2019  >>
seteququsedo
24252627282930
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930311234