Através do Núcleo de Inovação Tecnológica NIT/FESP, foi depositado mais um pedido de Patente de um produto desenvolvido dentro da Fundação. O requerimento foi feito ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), órgão federal vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), responsável pelo aperfeiçoamento, disseminação e gestão do sistema brasileiro de concessão e garantia de direitos de propriedade intelectual. O processo se dá pelo envio de documentação específica sobre o produto, ou processo a ser registrado, seguido de análise de originalidade e definição de titularidade.

A criação disposta para registro é de Renata Ramiro, formanda do curso de Moda e Design. A estilista idealizou e produziu acessórios de materiais reutilizáveis. Segundo ela o produto é fruto de um trabalho de uma disciplina da professora Ana Beatriz Rodrigues Alves, coordenadora do curso. “Eu sempre busquei fazer coisas, criar coisas que não custassem muito porque cada semana tinha que fazer algo diferente. Daí eu acabei desenvolvendo alguns acessórios sustentáveis feitos de papel, revista e jornal. O resultado ficou bom e eu decidi vim falar com o professor Fábio Kallas e quando eu cheguei aqui ele me atendeu, foi atencioso e disse que tinha gostado da minha ideia, indicando que eu procurasse o Núcleo de Inovação Tecnológica NIT/FESP para fazer o pedido da Patente. Foi o que fiz e agora já tenho o protocolo de acompanhamento”, contou Renata.

Relata a coordenadora do NIT/FESP, Marisa Lemos, que registro do processo de fabricação de seus acessórios trará tranquilidade no que se refere à competitividade no mercado. “A partir do momento que ela obtiver o registro da patente, nenhum outro profissional poderá utilizar o método criado por ela, que além de ser de uma criatividade incrível, tem uma proposta de sustentabilidade, pois a mesma utiliza material reciclável em seus produtos”, justificou a professora.

O processo de análise do pedido leva tempo, mas há grandes chances de ser aprovado, já que em pesquisa anterior, foi comprovada a originalidade do produto, que no caso, são peças de moda únicas. Após a análise de documentação, o passo é um processo administrativo de exame formal preliminar e, posteriormente a publicação na Revista de Propriedade Intelectual do INPI para registro da patente.

Enquanto aguarda o correr dos procedimentos, Renata já planeja a comercialização de seus acessórios. A venda será exclusiva pela internet e ela já pensa em parcerias para a confecção. “Acho que esse apoio da FESP foi um incentivo. Vi que minha ideia é realmente boa e fiquei bem animada. Ainda estou decidindo valores, mas algumas peças vão custar R$19,00, por exemplo. Já tenho uma encomenda de 600 peças e por isso estou considerando um convênio para trazer presidiárias para me ajudarem neste trabalho, ou mesmo algumas funcionárias da FESP. Acredito que tem tudo para dar certo porque eu uso material do pós-consumo, material que as pessoas não se interessam mais. Dá pra fazer algo diferente, versátil, leve, durável e de baixo custo”, destaca.

Os assessórios de Renata podem ser encontrados no site oficial da estilista e design (WWW.riye.com.br) e o contato para mais informações sobre pedidos de Patente pode ser feito através do telefone 3529-8080, na Coordenadoria de Pesquisa e Extensão (CPEX) da FESP junto ao NIT/FESP.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG