A Fundação de Ensino Superior de Passos começou a receber projetos dos interessados no primeiro Mestrado Profissional da Instituição. No final de 2013, a Fundação recebeu a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES), que avaliou como adequada a proposta do Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Serão 15 vagas disponibilizadas para a turma que começa em Março deste ano, sendo concluída em 24 meses. O encaminhamento das propostas ocorre no período que vai de 27 de Janeiro a 21 de Fevereiro.

Na avaliação, os representantes da CAPES destacaram o comprometimento e a infraestrutura da FESP; a dimensão e regime de trabalho dos docentes com doutorado e experiência em orientação; e a alta produtividade em relação à pesquisa e extensão.

“O programa de Mestrado da FESP vem sendo trabalhado já há vários anos. Fortalecemos a questão da pós-graduação lato sensu, onde hoje nós podemos contar com 16 cursos oferecidos e em seguida foram destinadas equipes para trabalharem o Mestrado nas áreas Ambiental e da Saúde, sendo que o primeiro já passou pela avaliação positiva da CAPES. Dessa forma, nós passamos então a um status diferente de Universidade. Nós podemos considerar a FESP, pelo trabalho que ela faz em nível de graduação, de pesquisa, de extensão e agora de pós-graduação stricto sensu, como uma escola que tem todas as funções de Universidade. É mais uma meta vencida, mais um trabalho de sucesso realizado pelo nosso Núcleo de Pesquisa e Extensão, dirigido pelo professor Collares, e com certeza teremos uma turma completa nesse curso visto que a nossa região carece de cursos de Mestrado, especialmente na área proposta”, defendeu o presidente do Conselho Curador da FESP, professor Fabio Pimenta Esper Kallas, que completou dizendo que o Mestrado na área de Saúde deve ser aprovado ainda este ano.

A coordenadora da nova modalidade disponibilizada na FESP, professora Dra. Rita de Cássia Ribeiro Carvalho, disse que o curso terá encontros semanais às sextas-feiras e sábados, e que será direcionado, principalmente, aos profissionais que já atuam na área, e querem se qualificar ainda mais na sua função. "Mas isso não impede que possamos atender outras demandas, desde que sejam consideradas relevantes e tenham ligação com o perfil do mestrado oferecido", explica a professora que também comemorou a conquista. "Vamos alcançar as perspectivas do município e região. Estamos vivendo um momento muito feliz em nossa FESP, pois, por meio de esforço de toda uma equipe, estamos superando desafios e conquistando um novo horizonte para nossos professores e profissionais da região, e a FESP caminhando para um Centro de Excelência na Educação. Eu só tenho a agradecer o apoio do professor Fábio e do professor Eduardo Collares, por confiarem a mim a coordenação dessa empreitada, coordenação essa dirigida por eles. Quanto aos docentes, meus colegas de trabalho, agradeço o apoio e empenho, por terem me atendido em todas as solicitações e pelas contribuições na preparação da proposta. Reforço que trabalhar em equipe é fundamental para o sucesso de todos".

De acordo com a ementa, o curso com titulação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente tem o propósito de formar mestres com consciência crítica e capazes de compreender a relação entre ciência, sociedade, natureza e desenvolvimento econômico. Sendo estes profissionais capazes de elaborar, acompanhar e avaliar planos de gestão pública e privada com propósitos de desenvolvimento sustentável e de preservação ambiental, bem como realizar diagnósticos e prognósticos das inter-relações entre as atividades antrópicas e os meios físico e biótico. Deverão ser capazes, também, de desenvolver e aplicar técnicas agro-sustentáveis que contribuam para melhorias na produção agropecuária regional.

Como ainda detalhou o diretor Eduardo Collares, o Mestrado Profissional é exatamente igual ao Mestrado Acadêmico em relação à titulação. “A diferença é que o primeiro é mais direcionado aos profissionais que estão atuando no mercado. Este Mestrado tem por objetivo formar pessoas para trabalharem dentro das novas políticas públicas que estão em vigor no país, como o Estatuto da Cidade, a Política Nacional de Recursos Hídricos e, mais recentemente a Política Nacional de Saneamento de Resíduos e de Sólidos, por exemplo. Outro foco está voltado ao setor privado e envolve novas tecnologias para serem aplicadas no planejamento urbano e no desenvolvimento rural sustentável”, reforça.

Avaliação

Ainda segundo o professor Collares, o processo seletivo contempla três itens de avaliação: o currículo do candidato; um pré-projeto elaborado seguindo uma das duas linhas de pesquisa (Planejamento Municipal e Regional, e Desenvolvimento Rural); e uma entrevista. 

Para mais informações consulte o home oficial do Mestrado ou entre em contato com a Secretaria de Pós-graduação da FESP pelo número (35) 3521-4364.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG