Agência A Limine e os proprietários da BrinquelarA FESP realizou na noite de ontem (19), o Grande Prêmio Publicitário (GPP), iniciativa da coordenação do curso de Publicidade e Propaganda. Os estudantes apresentaram suas propostas de planejamento de mídia para a empresa Brinquelar, e a agência A Limine, composta pelos alunos Wellington Whichiner Cruz Silva, Anderson Bueno, Marco Túlio Madeira, Claudia Menezes Fonseca, Eduardo Calazans Lima, Giulia Nestor de Lima, Jonathan Menezes da Silva, Kívia Oliveira Santos, Márcio José Oliveira Filho, Nádia Fernanda Bícego e Ruana Fernandes, venceu o concurso.

“Foi muito bom, o pessoal está de parabéns! Os sete grupos apresentaram trabalhos excelentes, com qualidade profissional. Vamos procurar a agência vencedora. Nós ficamos gratificados e honrados em poder participar deste prêmio. A FESP foi maravilhosa, como sempre”, comentou o proprietário da Brinquelar, Wagner Luiz Santos, que participou da banca de avaliação do GPP e ainda cedeu prêmios para as três agências melhores classificadas.

A jurada Lívia Portugal, proprietária da Creato, também elogiou a realização do Grande Prêmio. Para ela, o projeto muito interessante por reunir alunos de todos os períodos para trabalharem juntos. “Os alunos que estão no final do curso tiveram a experiência de orientar um grupo e os que estão começando puderam ter o primeiro contato com a realidade da profissão. Esta é uma experiência muito importante porque o que eu percebo é que a realidade do mercado é um pouco diferente da realidade dentro da faculdade e por isso é muito proveitosos que estes alunos coloquem a mão na massa para ter esse contato mais próximo do que eles vão encontrar. Os trabalhos tiveram conceitos bacanas, o pessoal soube direcionar as ideias. Alguns tiverem a preocupação de ir além daquilo que foi solicitado e isso é um diferencial. Essa também foi uma oportunidade para conhecer alunos e o trabalho que eles podem desenvolver. Futuramente se algum desses alunos vier a procurar um estágio, um emprego na minha agência, pelo fato de ter apresentado este trabalho, com certeza ele vai ter pontos para contribuir a favor dele”, avaliou a publicitária.

A designer e professora da FESP, Heliza Faria, também presente no corpo de jurados, considerou fundamental a produção extra-sala. “Só acrescenta na formação dos alunos. O mercado está cada vez mais exigente, a entrega e seriedade na criação e execução dos trabalhos é mais que indispensável. Como designer eu me surpreendi com qualidade e acabamento das peças. Acredito que vás delas já poderiam ser veiculadas. Foi muito válido!”

Ainda na banca de avaliação dos trabalhos estavam: Dalton Filho, Antônio Donizeti de Carvalho, Nara Guimarães Porto, Jean Carllo de Souza Silva, Cleiton Hipolito Alves, Heliza Faria Pereira, Itamar Teodoro de Faria e Danilo Henrique Rezende Porto.

O GPP foi idealizado para incentivar a criatividade dos alunos do curso além de trabalhar com eles a capacidade de planejamento. Mais de 70 estudantes estiveram envolvidos em uma semana de atividades exclusivamente voltadas para a elaboração das propostas para a Binquelar. Segundo a coordenadora de Publicidade e Propaganda da FESP, o GPP foi um sucesso e continua em 2015. “Eu fiquei orgulhosa pelos trabalhos. Superaram as expectativas! Os alunos abraçaram a ideia do GPP e fizeram ótimas propostas. Vamos trabalhar para manter este prêmio sendo ainda melhor a cada ano”, considerou a professora, também responsável pelo projeto.

Palavra de vencedor

Em depoimento, Anderson Bueno, integrante da A Limine, contou que o trabalho foi intenso e que toda a equipe se esforçou em oferecer o planejamento mais adequado e eficaz para o cliente. O aluno também frisou o aprendizado e suas percepções em relação ao trabalho em equipe.  

“A experiência de vivenciar o GPP não pode ser dita em palavras, é algo que só podemos sentir durante a correria atrás de fazer o melhor possível num tempo curto. Foi quase uma maratona; uma maratona da publicidade. Cada dia era uma meta nova que precisávamos cumprir para que tudo se encaixasse perfeitamente dentro do tempo estipulado. Tudo isso se amplifica ainda mais por ter sido o primeiro, algo que ninguém ainda havia experienciado. Tive a oportunidade de conhecer melhor, inclusive, alguém com quem sempre esbarrava nos corredores.  Por sorte meu grupo foi pró-ativo e pude contar com a colaboração de diversas pessoas, que se dobravam e desdobravam para fazer dar certo. E deu, muito, por sinal! Toda experiência é válida, e só de ter tido esta oportunidade eu já me senti vitorioso. Conquistar o primeiro lugar provou que a conquista e o esforço estão diretamente relacionados, e isso foi algo que não só eu, mas todo o meu grupo aprendeu da melhor forma possível. E é isso que levaremos conosco a partir de então”, disse emocionado o futuro publicitário mais conhecido como Andy Roosevelt.

Confira abaixo a classificação do 1º GPP da FESP:

1° Lugar 

A Limine

Wellington Whichiner Cruz Silva

Marco Túlio Madeira

Anderson Bueno

Eduardo Calazans Lima

Claudia Menezes Fonseca

Giulia Nestor de Lima

Jonathan Menezes da Silva

Márcio José Oliveira Filho

Nádia Fernanda Bícego

Ruanda Fernanda Honório Santana

Kívia Oliveira Santos

2° Lugar

Brado Agência

Everton Augusto Marques

Lívia Louise Ferreira Firmino

Henrique Ferreira de Andrade

Bárbara Isadora Silva de Melo

Aricia de Oliveira Faria

Lohaina Silva Fernandes

Natielli de Paiva Ribeiro

Vanessa Rita Duarte

Marina Lopes Bonfim

3° Lugar

Estratégia Dinâmica

Rúbia Savioli Balla

Marco Aurélio dos Santos

Israel Antônio de Oliveira Santos

Nicolas Martins Fagundes

Franciele Nogueira Lacerda

Lorena Patti Sanches Pereira

Stephanypower Galgane de Assis

Vanildo Donizete Gomes

Elysani Caroline de Lima

 

Veja todas as fotos do evento CLICANDO AQUI.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG


A aluna do Curso de Engenharia Ambiental, Jéssica Karyane da Silva, retornou à FESP no dia 10 de janeiro de 2014 após intercâmbio do Programa Ciência sem Fronteiras no Canadá. A estudante esteve no país durante 1 ano e 6 meses desenvolvendo graduação, na Universidade canadense, University of the Fraser Valley, na cidade de Abbotsford, e posteriormente na University of British Columbia. O período de estudo acadêmico foi de agosto - 2012 a janeiro - 2013. 

Marisa da Silva Lemos, Coordenadora do Programa Ciência sem Fronteiras afirma que o relato da experiência vivida pela aluna Jéssica no Canadá nos sensibiliza e estimula a instigar o maior número de alunos da FESP para participar deste intercâmbio. “Percebe-se que a estudante volta uma pessoa diferente, com um novo olhar do mundo através de novos conhecimentos e assume o compromisso de transmiti-los  aos seus colegas curso na FESP”.

Jéssica inicialmente agradece a FESP pela oportunidade única que teve em sua vida. Segundo a estudante é certo que os conhecimentos adquiridos na área de Engenharia Ambiental no exterior farão dela uma profissional diferenciada no mercado de trabalho. 

A Fundação de Ensino Superior de Passos já realizou através do Programa Ciência sem Fronteiras 11 intercâmbios de estudantes de graduação. Este ano (2014) a instituição apresenta 2 alunos aprovados para o intercâmbio previsto em maio de 2014 e outros 09 que já estão homologados para intercâmbio previsto em agosto de 2014.

A Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP – CPEX é responsável pelo Programa Ciência sem Fronteiras na instituição e conta com a assessoria do funcionário da CPEX, Étory Zaghi, para acompanhar os alunos neste processo.  

Os alunos interessados em se candidatar nos editais abertos entrar em contato com a CPEX para auxiliá-los no processo de candidatura. Local: Rua Doutor Carvalho, nº1147 – Bairro: Belo Horizonte / Passos - Telefones para contato: CPEX: (35) 3529 – 6033 \ (35) 9811 – 8085.

A aluna relata também que viver a experiência de um intercâmbio é algo inexplicável. Relata que é muito difícil descrever em palavras tudo o que viveu.

Segue abaixo na íntegra o depoimento de Jéssica: 

“Cruzei fronteiras que eu nunca imaginei cruzar, físicas, geográficas e culturais. A maioria delas foi muito além de minha imaginação. Aprendi coisas que nenhum livro poderia me ensinar porque elas simplesmente não podem ser descritas em um pedaço de papel. A cada segundo todas as minhas expectativas eram superadas. Durante esse período percebi  que não sou nem melhor, nem pior que ninguém e que essa sensação de igualdade me faz um ser humano mais humano. Reaprendi o significado de educação e respeito pelo próximo, pelas crenças, pela vida. 

Também aprendi que eles podem ter significados muito mais profundos dependendo da terra que se pisa, do lugar que se visita. Que o simples gesto de abrir a porta para o outro, por exemplo, faz uma diferença enorme no dia a dia. Aprendi que dizer: Have a nice day (tenha um bom dia) para todos, mesmo aqueles que não conheço, realmente faz com que o dia fique melhor, o meu e o dos outros! Conheci lugares, pessoas, culturas. Cresci. 

Descobri que o mundo é bem maior do que eu pensava e que vai muito além da imaginação de quem nunca arriscou ir além, e quando eu digo além, eu me refiro a romper as barreiras internas que cada um de nós possui. Aprendi muito, e ainda tenho muito a aprender. Percebi que não há verdade absoluta e que o mesmo assunto pode ser encarado de milhões de formas diferentes, dependendo de quem o descreve. Acumulei muitas riquezas imateriais, uma delas chamada de amigos. 

Fui para fazer ‘Ciência sem Fronteiras’ e fiz. No entanto, como consequência, acabei fazendo ‘Amigos sem Fronteiras’.  Hoje tenho amigos de todo o mundo: Canadá,  Estados Unidos, Coréia, Japão, Índia, Jordão, China, Austrália, Portugal, Londres, Equador, Peru, Índia, França e é claro, do Brasil.

Só tenho a agradecer por todos os momentos. Foram inesquecíveis e ficarão para sempre guardados em minha memória. Momentos que não se medem com palavras ou gestos, porque são imensuráveis: não tem forma, peso ou medida.  Só tenho a agradecer,  à FESP pela oportunidade única que tive em minha vida. A universidade, através de seu apoio prestado do começo ao fim dessa trajetória, me permitiu trazer essa imensa bagagem nas costas, que tem sabor de conhecimento. Tenho orgulho de ser abraçada de volta por essa equipe maravilhosa! 

A partir de agora, farei o meu melhor para compartilhar todos os meus aprendizados e contribuir para o desenvolvimento cientifico, social e tecnológico de nosso País”.

TEXTO ESCRITO POR: COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FESP - CPEX



Alunas participantes do Programa Ciência sem Fronteiras - FESP retornaram à FESP no início deste semestre e descrevem positivamente suas experiências acadêmicas vividas no exterior. No dia 13 de novembro, no Auditório do Bloco 01 da FESP oficialmente as alunas apresentaram relatos de suas experiências nas universidades no exterior. As estudantes foram bolsistas do Programa Ciências sem Fronteiras durante 12 meses, tendo início em junho/ 2012 à junho de 2013.

A Fundação de Ensino Superior de Passos aderiu ao Programa Ciência sem Fronteiras em 2011 e já realizou 11 intercâmbios de estudantes de graduação. O processo está com um fluxo contínuo e os países em que a FESP marca presença são: Portugal, Estados Unidos, Canadá, França e Hungria.

Thaís Soares Elorde, estudante do curso de Enfermagem da FESP, morou na cidade de Faro / Portugal e cursou graduação na Universidade do Algarve. Thaís relata que o Programa Ciência sem Fronteiras prepara o aluno não só para os estudos como também para a vida. “Você nunca mais será a mesma pessoa depois de uma viagem como esta" relata a aluna.

Marina Rejane de Lima aluna do Curso de Sistemas da Informação da FESP / UEMG  cursou a graduação na Universidade de Coimbra / Portugal.  Marina comenta que conhecer cidades, conhecer pessoas, aprender novas coisas e viver novas experiências fez parte do seu dia a dia no exterior. Sair da zona de conforto e encarar um novo desafio torna a vida de qualquer um mais interessante e prazerosa de viver. O mundo é tão grande para ficarmos sempre no mesmo lugar, sempre temos muito para aprender. 

Marisa da Silva Lemos, Coordenação do Programa Ciência sem Fronteiras afirma que a possibilidade de fazer a graduação no exterior está mudando positivamente a vida dos alunos da FESP, e acrescenta que os editais de participação neste programa estão abertos para 20 países até o dia 29 de novembro (ver site  www.cienciasemfronteiras.gov.br).

A Coordenação de Pesquisa e Extensão da FESP – CPEX é responsável pelo Programa Ciência sem Fronteiras na instituição e conta com a assessoria do funcionário do CPEX, Etory Zaghi, para acompanhar os alunos neste processo.  

Os alunos interessados em se candidatar nos editais entrar em contato com a coordenação para auxiliá-los no processo de candidatura. Local: Rua Três de Maio, nº33 – Centro / Passos Telefones para contato: CPEX: (35) 3529 – 8080\ (35) 9811 – 8085.

TEXTO ESCRITO POR: COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FESP - CPEX



Por meio do programa YOU2AFRICA - be the change, a aluna Marinila Buzanelo Machado passou 1 mês na Cidade do Cabo (África do Sul), trabalhando com crianças em recuperação no Sarah Fox Children's Convalescent Hospital. O intercâmbio voluntário veio agregar mais uma experiência às atividades extracurriculares da estudante do 4º período de Biomedicina da FESP.

A rotina da graduanda de 22 anos envolvia 8 horas diárias de serviços diversos na primeira semana e depois ficou exclusivamente dedicada aos cuidados com as crianças no hospital. “Foi uma experiência maravilhosa da qual nunca me esquecerei. A cidade é encantadora, as pessoas são calorosas e as crianças, então, nem tem o que falar! Me apaixonei por cada uma”, lembrou.

Marinila já planejava um intercâmbio voluntário desde o ano passado e sua decisão de ir para a África só se deu depois de consultar a coordenadora do seu curso, a professora Alessandra Cheraim Silva. “Minha irmã me apresentou o programa dizendo que o intercâmbio voluntário era a minha cara! No começo eu pensei em ir para a Namíbia e trabalhar com leões brancos porque eu sou apaixonada por animais. Eu fiquei com aquela viagem na cabeça, sempre insistindo com os meus pais. Quando eu fui avisar a Cheraim da minha viagem ela me sugeriu fazer algum trabalho com crianças ou em hospital, porque seria um diferencial no meu currículo. Então foi a minha opção” justificou a estudante.

Onde ficou instalada, a intercambista conviveu com outros seis brasileiros - dois que trabalhavam no hospital com ela, três que participavam de atividades em um orfanato e que ensinava futebol em uma escola – além de quatro franceses, uma sul africana, uma alemã, uma norte-americana, uma inglesa e uma dinamarquesa. Segundo Marinila a experiência foi um grande aprendizado. “Eu aprendi muito a respeitar o próximo, a doar sem esperar receber algo em troca e eu tenho certeza que essa experiência me fez uma pessoa melhor. Eu aprendi a conviver com diferentes problemas, diferentes pessoas, que mesmo passando pelo pior estavam ali com um sorriso no rosto pedindo amor e carinho. É algo que eu levarei pra vida toda e que eu irei lembrar quando estiver com um paciente, quando eu estiver realizando exames. Eu indico o intercâmbio para os colegas do meu curso e para qualquer pessoa disposta a fazer o bem e ajudar o próximo”.

A aluna da FESP pretende voltar à África e acredita que, além do prazer em trabalhar com crianças, ser voluntária é uma grande experiência que contribui sobremaneira para o enriquecimento de seu currículo. 

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



Notícias por ANO e MÊS

Calendário de Noticias e Eventos

<<  abril 2020  >>
seteququsedo
303112345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930123
45678910