Thor Andreas Silva Di Sessa, ao seu lado o orientador Carlos Pelleschi Taborda, e como membros da Banca: a Prof. Dra. Carla Pagliari, a esquerda, e a Prof. Dra. Elaine Rodrigues, a direita.

Defendendo a tese nomeada “Terapia gênica na paracoccidioidomicose experimental utilizando vetores de expressão de HSP60 e mIL-12”, o egresso da FESP, Thor Andreas Silva Di Sessa conseguiu o título de Doutor pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo no final do ano passado. 

“A FESP contribuiu muito para a minha formação acadêmica. Através dela eu tive contato com a pesquisa e peguei gosto pela coisa. Fui estagiário da professora Dra. Odila Rigolin de Sá durante muito tempo e isso me fez enveredar pelo lado da Microbiologia geral e Médica”, justificou Thor.

Sua tese tem como foco a paracoccidioidomicose (PCM), que é uma doença sistêmica de caráter granulomatoso, causada pelo fungo termodimórfico Paracoccidioides spp. “A PCM é endêmica na America Latina e aproximadamente 80% do pacientes vivem no território brasileiro. O tratamento medicamentoso é eficiente, entretanto, é longo e vários pacientes acabam abandonando e recidivas são comuns neste grupo. A utilização de uma vacina terapêutica poderia resultar na redução do tempo de tratamento assim como, recuperar a resposta imune do hospedeiro frente ao fungo. As vacinas de DNA são uma abordagem promissora na imunoterapia e podem ser injetadas por via intramuscular, intradérmica ou via mucosa. As proteínas de choque térmico (HSPs) são proteínas que estão ligadas a homeostase celular e também possuem efeitos imunológicos em diversos casos como doenças infecciosas e autoimunes”, explica.

Ainda segundo o pesquisador, o intuito do trabalho foi testar qual combinação de vetores é mais efetiva na redução da carga de fungos nos pulmões, levando assim a uma diminuição no tempo e do custo de tratamento. “Nossos resultados sugerem que a imunização utilizando plasmídeo contendo o inserto HSP60, tem grande potencial vacinal”, completa.

Depois da graduação em Ciências Biológicas, finalizada em 2007, Thor concluiu em 3 anos o desenvolvimento do mestrado e agora, com mais uma titulação, o biólogo volta às suas atividades nos aos laboratórios de Hidrobiologia e Microbiologia da FESP, onde vai participar de alguns projetos na área de qualidade de água, queijo e estudos sobre micotoxinas (toxinas produzidas por fungos que causam uma gama de problemas de saúde em humanos).

Na foto: Thor Andreas Silva Di Sessa, ao seu lado o orientador Carlos Pelleschi Taborda, e como membros da Banca: a Prof. Dra. Carla Pagliari, a esquerda, e a Prof. Dra. Elaine Rodrigues, a direita.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



Os alunos do 1º período do curso de Ciências Biológicas da FESP receberam na última terça-feira (04) o ex-aluno Fábio Gonçalves de Lima Oliveira - graduado em 2010 pela Fundação - para uma palestra agendada pela professora Odila Rigolin de Sá, coordenadora do curso.

O Egresso concluiu recentemente seu Mestrado em  Entomologia no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), localizado em Manaus (AM), e começa em breve o Doutorado na USP de Ribeirão Preto (SP), também na área de Entomologia. Fábio foi aprovado, em ambos os processos seletivos, em primeiro lugar e que teve na FESP a base para trilhar esse caminho de desafios e sucesso. “Entrei na FESP em 2007 e estou satisfeito com a graduação que fiz. Na maioria das minhas demandas, a FESP tem dado suporte através do empenho e iniciativa do corpo docente”, defendeu.

Os calouros de Ciências Biológicas tiveram na palestra a oportunidade de saber sobre as pesquisas desenvolvidas pelo entomólogo, que trabalha com animais pouco conhecidos: os colêmbolos, invertebrados que habitam a superfície do solo. “Este foi o tema da palestra. No entanto, aproveitei a exposição para falar sobre minhas experiências na pesquisa ao longo da graduação aqui na FESP, durante o mestrado, e as expectativas para o Doutorado” contou Fábio que demonstrou satisfação em estar de volta à Fundação. “Me senti bem! Acho que é gratificante você retornar à sua instituição de formação, dividir sua vida e também dar um retorno aos docentes com quem você muito aprendeu. Espero que tenham absorvido a mensagem de uma forma positiva”.

Carreira Acadêmica

Fábio é Mestre em Entomologia (ciência que estuda os insetos) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, onde foi vinculado ao laboratório de "Biologia, Sistemática e Ecologia da Fauna do Solo". Segundo o especialista, este laboratório tem como principal objetivo conhecer a biodiversidade destes animais (colêmbolos) que vivem numa região superficial do solo, pouco acessada nas florestas. Posteriormente, o conhecimento alcançado é utilizado para conservar os demais ambientes das florestas amazônicas.

Casal de colêmbolos da ordem Symphypleona (Classe Collembola)“Trabalhei com a ecologia de uns animais minúsculos denominados colêmbolos (da classe Collembola). Trata-se de animais distribuídos por todo o mundo, mas que devido seus tamanhos e ambientes que habitam são pouco conhecidos. Como estes animais são extremamente sensíveis às mudanças no meio circundante, configuram-se como importantes ferramentas para prever e diagnosticar impactos em consequência da interferência humana. Assim, o principal objetivo alcançado foi ter localizado alguns dos fatores responsáveis por ditar a distribuição de uma comunidade de espécies de colêmbolos sobre a superfície do solo. Possivelmente, estes resultados serão aplicados em estudos de Conservação Ambiental. No Doutorado irei desenvolver um estudo que torne a identidade destas espécies conhecida. Para isso investigarei a fauna de solo de cada estado e domínio fitogeográfico do Brasil. Posteriormente irei descrever as espécies novas que eu encontrar”, explica.

A partir de suas experiências e novos conhecimentos que serão adquiridos, o quase doutorando pretende se firmar cada fez mais no cenário da pesquisa brasileira. 

“Pretendo me tornar um bom profissional atuante. Em relação à carreira acadêmcia, vejo por um ângulo positivo, acredito que estou no caminho certo. No entanto, ainda há muito chão para ser percorrido. Mas quem está reclamando? Eu gosto de desafios!”, comenta.

Fábio incentiva que os alunos da FESP busquem novos horizontes, já que a Fundação - segundo ele, especialmente a partir do corpo docente - oferece apoio para que conquistem cada vez mais espaço no universo acadêmico e mercado de trabalho. “A partir da minha ida para o INPA, considero que a melhor experiência e o que me trouxe a maior evolução humana foi ter saído da zona de conforto em que eu estava aqui em Passos. Isso é muito válido”, deixou o recado.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



A professora do curso de Nutrição da FESP, Jussara de Castro Almeida, conquistou o título de Doutora em Alimentos e Nutrição pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), defendendo a tese intitulada “Padrão de consumo de álcool: estudo epidemiológico no município de Passos (MG)”. A defesa aconteceu no dia 17 do último mês, tendo como integrante da banca examinadora a professora Dra. Juliana Alvares Duarte Bonini Campos, orientadora do trabalho; a professora Dra. Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia; a Dra. Marisa Veiga Capela; o Prof. Dr. Raul Aragão Martins; e a professora Dra. Tânia Maria Delfraro Carmo, diretora do Núcleo Acadêmico da Saúde e Ciências Biológicas da FESP.

Sobre a participação na banca e acerca da proeminência do trabalho da professora, Tânia Delfraro falou com entusiasmo. “Foi com imenso prazer que participei da banca da professora Jussara! Ela desenvolveu e conduziu, com muita propriedade, seu estudo que tem uma temática de grande relevância científica, podendo subsidiar políticas públicas que visem à redução dos problemas decorrentes do consumo excessivo do álcool.  Com os resultados da pesquisa, a professora pretende trabalhar nos Núcleos de Saúde da FESP fazendo o rastreamento para detecção dos grupos vulneráveis e realizar ações educativas, trazendo contribuições para a melhoria das condições de saúde  da população de Passos e região”, explicou.

Segundo a recém-titulada, a FESP contribuiu decisivamente para sua conclusão de sua pesquisa. “O doutorado me proporcionou um amadurecimento enquanto pesquisadora. Esta qualificação faz com que eu me sinta apta para executar e/ou orientar novos trabalhos e contribuir de forma significativa na melhoria da qualidade vida das pessoas, o que é de fundamental importância para qualquer educador da área da saúde. Gostaria de registrar, a minha eterna gratidão à FESP pelo apoio e, em especial, à professora Tânia, por integrar a minha Banca Examinadora e me acompanhar nesse momento tão especial e vitorioso”, declarou a professora Jussara.

Sua tese se justifica pelo elevado consumo mundial de bebidas alcoólicas e pelos problemas médicos, psicológicos, profissionais e familiares decorrentes do uso excessivo dessas substâncias. Assim, considerando a importância dos estudos epidemiológicos para o direcionamento de políticas públicas que visem à redução dos problemas decorrentes do uso de álcool - que atua no sistema nervoso central e provoca mudança de comportamento e dependência – a pesquisadora desenvolveu o estudo com o objetivo de identificar o padrão de consumo de bebidas alcoólicas entre os moradores do município de Passos (MG), maiores de 18 anos de idade e sua associação com características sociodemográficas. “Trata-se de estudo do tipo transversal, com delineamento amostral probabilístico estratificado. Como instrumento de medida para avaliar o padrão de consumo de bebidas alcoólicas utilizou-se o Teste de Identificação de Desordens Devido ao Uso de Álcool (AUDIT), aplicado por meio de entrevistas telefônicas. Participaram do estudo 842 indivíduos, com média de idade de 42,9 anos, sendo 51,9% do sexo feminino. Dos participantes, 34% eram abstêmios, 43% apresentaram comportamento de beber moderado, 18,9% de beber de risco, 2,3% de alto risco e 1,9% de possível dependência”, explicou.

A professora concluiu que a maior probabilidade de beber de risco (população vulnerável) foi encontrada entre homens, com idades entre 18 a 34 anos, sem religião e trabalhadores. “O consumo excessivo de bebidas alcoólicas é um problema de saúde pública. No Brasil, 12% da população apresentam problemas decorrentes do consumo excessivo de álcool. Em Passos (MG), observou-se elevada prevalência de comportamento de beber de risco e entende-se que este estudo pode nortear os gestores municipais quanto à realização de ações educativas visando à prevenção dos transtornos decorrentes ao consumo de bebidas alcoólicas, assim como, a redução da ingestão de álcool”, ainda completou a nutricionista.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



Ayeska Hubner, graduada em agronomia pela Fundação de Ensino Superior de Passos, vai, em Agosto próximo, para o Centro de Pesquisa Australiano CSIRO Forest Research - referência internacional em pesquisa - onde vai aprofundar seus estudos sobre manejo de resíduos de florestas e fertilização em espécies florestais de interesse econômico, no caso, o eucalipto.

A agrônoma-doutoranda disse que esteve ligada aos trabalhos de pesquisa desde seu primeiro período no curso da FESP, onde foi bolsista de iniciação científica, desenvolvendo estudos na área de solos. Segundo Ayeska, professores como Eduardo Collares, Wellington Willian Rocha, Rita de Cássia Ribeiro Carvalho e outros, apresentaram a ela o mundo científico onde pôde viver experiências que a ajudam em sua carreira. “Acredito que um curso vai além da sala de aula e provas. É preciso vivenciar as situações que teremos que lidar na vida profissional quando não estivermos mais na faculdade, e posso dizer que a FESP me proporcionou isso”, declarou a ex-aluna.

Ayeska fez mestrado em Ciência do Solo na Universidade Federal de Lavras (UFLA), onde concentrou sua pesquisa na área de física e conservação de solos em florestas. Atualmente a pesquisadora está na metade do seu doutorado em Recursos Florestais na ESALQ/USP, desenvolvendo trabalho em química de solos florestais e nutrição de eucalipto.

Os experimentos já realizados por Ayeska em sua tese na ESALQ/USP fazem parte de uma rede mundial que estuda o manejo de resíduos florestais e fertilização em espécies de florestas de interesse econômico, abrangendo outros iguais experimentos em mais 16 países, sendo duas destas, pesquisas australianas. Desta forma, com o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) – que já financia seu doutorado – a ex-aluna da FESP irá compartilhar e comparar resultados dos estudos feitos por outros dois pesquisadores da Tasmânia, integrando o experimento brasileiro com os da Austrália. Lá, Ayeska irá conhecer um modelo matemático chamado CABALA (Carbon Balance) que avalia diversos parâmetros – estoque de carbono no solo, mineralização de nitrogênio, balanço hídrico, dentre outros – que podem influenciar no crescimento e produtividade de florestas de eucalipto. 

No esforço de ressaltar a importância do intercâmbio de conhecimento e da cooperação científico-tecnológica para o desenvolvimento das ciências, a professora Rita de Cássia Carvalho pontuou que a “bolsa sanduíche” promove a consolidação e internacionalização da ciência e pesquisa conduzidas no Brasil, tão boas em qualidade quanto as internacionais. De acordo com a docente da FESP “os pesquisadores brasileiros são capazes de inovar e competir em diversas áreas, ainda mais no caso da Ayeska, abordando as ciências agrárias, nosso forte gargalo. E para FESP isso é importante, pois demonstra a competência e seriedade da Instituição na formação dos seus alunos. O sucesso demonstrado pelos egressos só vem provar que aqui se faz profissional sério e competente”, defende Rita de Cássia que está se preparando para apresentar dois trabalhos em Sidney, na Austrália, também resultado de pesquisa de iniciação científica com três co-autores agrônomos recém-formados.

Ainda de acordo com a professora, a FESP tem demonstrado a cada dia um incentivo maior na pesquisa através do corpo docente, que está cada vez mais preparado para orientar e dessa forma mais alunos terão oportunidade de alcançar sucesso, assim como Ayeska.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



A bióloga Rosiane Aparecida Miranda, formada pela FESP, concluiu seu programa de mestrado em fevereiro deste ano e já foi aprovada - em 1º lugar - no doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A área de concentração do estudo é voltada para a Biologia Celular e Molecular, cuja dissertação teve como tema: “Obesidade, Diabetes Mellitus II e Caracterização de Receptores muscarínicos em ilhotas pancreáticas”. Em março deste ano, a bióloga foi aprovada em 1º lugar no Doutorado para abordar a Obesidade Transgeracional.

Rosiane considerou sua colocação como fruto de muito estudo, dedicação, amor pela ciência. Segundo ela, a escolha pelo o curso de graduação da FESP fez toda a diferença. “Tive embasamento para seguir o caminho da pesquisa científica. Desde o início da graduação em Ciências Biológicas houve muito incentivo por parte dos professores para participar de projetos de iniciação científica, estagiar e trabalhar nos laboratórios oferecidos pela instituição. A FESP me deu apoio e incentivo para realizar meus projetos, participar de congressos e simpósios, o que é o grande diferencial no currículo de um pesquisador”, afirmou a doutoranda.

Segundo ela, o interesse pela área de atuação começou nos laboratórios da FESP, onde ela decidiu se dedicar e aprofundar seus estudos acerca da temática “obesidade e diabetes”, doenças que atingem elevado índice de pessoas em todo o mundo e por isso se tornou um alvo extremamente importante no ramo da pesquisa.

Como mestranda, a pesquisadora concluiu um trabalho inédito sobre como o sistema nervoso autônomo - geralmente alterado em animais obesos e pré-diabéticos - induz alterações em receptores muscarínicos, principais responsáveis pelo ajuste colinérgico da secreção de insulina em células β-pancreáticas. 

Os resultados foram consideráveis e foram propostos novos alvos terapêuticos para a prevenção e/ou tratamento de doenças metabólicas relacionadas à obesidade - como a diabetes tipo II - e por isso o trabalho está sendo encaminhado para publicação em revista internacional, especializada em ciências biológicas.

No Doutorado, Rosiane vai propor um modelo experimental de obesidade transgeracional obtido a partir de uma geração de mães obesas, avaliando possíveis distúrbios na prole, tais como instalação da obesidade e alterações metabólicas que envolvam a disfunção dos mecanismos de secreção da insulina. Vertente importante na questão da saúde, pois, como ela explica, “as altas taxas da prevalência de obesidade na infância vêm preocupando profissionais da área de saúde, por isso estão sendo feitas pesquisas a respeito da prevenção, causas e tratamentos que envolvam o tema”.

Dentre diversos fatores relacionados à obesidade, o fator genético pode ser considerado um dos mais complexos e apresentam fortes componentes hereditários. Por este motivo os estudos da doutoranda são de grande valia. De acordo com a professora da Vera Lúcia Alves Oliveira, a obesidade atinge números epidemiológicos, avançando rapidamente entre todas as idades e classes sociais. “O excesso de peso já um dos maiores problemas de saúde pública do mundo. Tendo em vista a elevada prevalência de doenças metabólicas relacionadas à obesidade nossos estudos são realizados a fim de desvendar mecanismos fisiopatológicos propondo novos alvos terapêuticos para a prevenção e/ou tratamento dessas doenças”, justificou a professora.

FONTE: Departamento de Comunicação e Marketing FESP/UEMG



Notícias por ANO e MÊS

Calendário de Noticias e Eventos

<<  outubro 2020  >>
seteququsedo
2829301234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930311
2345678